Cantinho da Flor

Para Quem Quer Qualidade de Vida

Jeito masculino

“Não é nada disso que você está pensando!”

Por Leonardo Dualit

Sem essa! É exatamente isso que ela está pensando, sim. Não é de hoje que homens e mulheres traem… E também não vai ser hoje (nem nunca) que eles deixarão de trair. A velha “pulada de cerca” é um dos assuntos que mais recheiam os divãs e as páginas policiais. Mas se isso traz tantos problemas assim, por que é que ainda insistimos na infidelidade? Ora! Porque é bom.

Mais do que uma escapadinha ou (como nós homens costumamos falar) “uma válvula de escape”, a traição muitas vezes é o que mantém uma relação. Vou dar o exemplo de uma mulher para que não falem que estou sendo machista e nem que estou fazendo apologia à infidelidade masculina. Portanto, imagine-se num casamento de longos anos, você insatisfeita com seu marido, ele sempre chateado porque não tem grana, os filhos revirando a casa toda… E de repente, no supermercado, um jovem rapaz bonito, sarado e gentil (isso existe de verdade?!) te dá uma ajuda para pegar a lata de milho-verde no alto da prateleira e começa a puxar papo. Vocês trocam telefones e acabam marcando para saírem… Apenas como amigos, é claro, pois você não é “nenhuma vagabundinha que vai dar para o cara na primeira vez”.

Mas você acaba dando. E volta para casa com um sorriso que não cabe no rosto, dá um longo beijo no maridão, libera o videogame para as crianças, manda pedir um jantar no chinês e nem liga de assistir ao futebol na hora da novela; ou seja, seu casamento volta a ser perfeito. Felizes para sempre!

Você deve estar se perguntando se eu estou aconselhando todo mundo a trair?! Muito pelo contrário. Acredito totalmente no inverso. A traição pode ser (e em muitos casos, é) um artifício para equilibrar um casamento. Mas isso só ocorre porque esse casamento já não existe mais; ou talvez nunca tenha existido. Hoje estimo que 90% dos casais se unem pelos motivos errados. E não porque se amam. Parece piegas, mas é fato. Desse total quase todos acabam em ruína. E entenda-se ruína, não como “separação”, mas como permanência de um estado de infelicidade recíproco. E qual é a melhor saída? A separação ou o adultério. Mas ninguém tem coragem de se separar, para não dar o que falar aos vizinhos, ou para não ter que recomeçar a vida, ou por causa dos filhos, ou para não perder as mordomias financeiras ou qualquer outro motivo que justifique sua covardia. Assim, resta a traição… E as milhares de mentiras arquitetadas para encobri-la.

Às vezes acho que seria mais digno se houvesse sinceridade na traição. Explico: se você traiu, fale logo a verdade! Seja homem (ou mulher) o bastante para assumir seus atos e jogar logo as cartas na mesa; e ligar para o advogado para preparar os papéis do divórcio. Viver numa mentira é deixar de viver! E é isso que esses 90% estão fazendo hoje.

Ah! Você deve estar se perguntando sobre os outros 10%. Bom, esses se casam por amor. E estão felizes até hoje, com filhos, cachorro, jardim florido e não sentem a menor necessidade de trair. Antes, eu costumava dizer que para o adultério acontecer bastavam duas cosias: vontade e oportunidade. E acreditava que a vontade era inevitável, “todos têm vontade”. Com isso, o que poderíamos fazer era tentar minimizar as oportunidades. Mas isso é viver em estado de tensão. Como o soldado que atravessa o campo inimigo, sempre atento para não dar nenhum vacilo e ser abatido. Além disso, se a mulher (ou homem) que está com você sente necessidade de te trair é porque ela (ou ele) não te ama. Aí eu pergunto: vale a pena?!

A vontade só existe onde não há amor. Falo amor de verdade, aquele que nos completa, que mesmo depois de décadas de casamento ainda faz com que a gente se emocione ao ver os raios do sol refletidos sobre a pele já enrugada pelo tempo… (e isso sim, existe!) Quem trai está tentando suprir uma necessidade, preencher um espaço que existe em sua vida. E quem ama… é pleno.

Anúncios

5 Comentários»

  Liliane Mira wrote @

Discordo que as pessoas se unam pelos motivos errados a não ser em casos específicos, mas 90% puxa vida é d+. Se alguém está junto e não cai fora, por alguma coisa é! E os casos de pessoas que apesar de estarem juntas e sua vida conjugal estar atravessando uma crise, mesmo assim não pulam a cerca? È que tb as há! Toda gente tem fases na sua vida pessoal melhores e piores e o verdadeiro amor sabe-se mesmo é nas piores horas onde os 2 estão lá. O problema é que hoje em dia mtas pessoas confundem paixão, tesão com amor e aí sua estatística tlz já seja mais coerente. Tb vive-se na lei do menor esforço onde é mais fácil arrumar outra pessoa do que consertar as coisas com a pessoa que estamos, etc e por aí vai a coisa correndo solta. Do que já vi de perto, as traições são péssimas pra uma relação, a pessoa traída experimenta uma falta de auto-estima, auto-confiança, segurança tal que pode gerar um estado de paranóia mto grande e apesar de ainda quiçá gostar daquela pessoa e não querer romper os laços que os unem, não consegue fugir a esses comportamento auto-destrutivos. Por outro lado a pessoa que traí experimenta aquele gostinho do desafio, da novidade, da aventura e por vezes deixa-se levar por isso e se entrega a esse sentimento, acabando com tudo que estava para trás e que tinha sido construído até então. Tudo resume-se ao ego exacerbado da época em que vivemos onde já não há moral nem bons costumes e olhe que sou nova hein. Tenho 28 anos, mas penso assim desse jeitinho feminino RRSS. Bom é só a minha opinião. Um abraço

  ril wrote @

olha dualit, eu acho que vc já foi traido, e eu ñ concordo nada com esses 90% que vc disse.

  Raimar Lima wrote @

Traição é um tema muito polêmico, muito complexo e que dá espaço apenas a poucas conclusões, como “não trair” ou “se for trair não se case”, etc…
A questão de se casar por amor é muito válida pra mim – pessoalmente -, mas todos nós sabemos como é difícil isso acontecer. Às vezes nos dispomos a amar, e lá na frente quebramos a cara! Como saber se é recíproco? É meio difícil saber.
O fato é que o amor na relação é inversamente proporcional as chances de traição, então não adianta se casar apenas por modismo ou comodidade ou quaisquer outros motivos; Se queres ser feliz no casamento, encontre sua outra metade!
Este é apenas o meu ponto de vista, não viso modificar a opinião de ninguém, mas fico aberto a outros comentários!

  Renato wrote @

Eu concordo de maneira plena com o seu ponto de vista e acredito sim nos 90%.
Adorei a matéria.

  Miriam wrote @

Durante dois anos procurei respostas sobre traição na Internet e só encontrei tolices ou relatos de psicólogos sem nenhum teor prático. Fato: o que faz alguém trair o outro? Quantas vezes vejo pessoas dispostas a amar, abrirem totalmente seu coração, acreditarem na “felicidade” e logo adiante são traídas cruelmente por seus parceiros. Digo cruelmente porque entregaram-se, acreditaram que tinham encontrado a “cara-metade”. Jogaram-se de cabeça na relação. Apostaram todas as fichas. Se não amamos, não fomos felizes porque nunca nos entregamos. Se amamos é porque não éramos amados. Uns dizem que é apenas sexual… outros é porque não havia amor na relação, estava “desgastada” e por aí vai. Se alguém tiver uma resposta minimamente coerente para isso, por Deus, exponha. Porque eu, ainda não encontrei.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: